Planejamento financeiro para o condomínio

Planejamento financeiro para o condomínio

29 nov

O final do ano se aproxima, com ele as expectativas de um ano cheio de novidades, que as coisas fluam facilmente, que a vida seja leve, e que o dinheiro dê para pagar todas as contas e ainda haja sobras de caixa para alguns imprevistos . Pensando nisso, que tal já ir planejando as contas de seu condomínio, organizando as coisas para que todos os “problemas” possíveis já estejam previstos, e a quantia já esteja separada para estas despesas?

A Central de Condomínios organizou um passo a passo para auxiliar síndicos no planejamento das contas do condomínio para o próximo ano.

O primeiro passo para um planejamento de sucesso é fazer um diagnóstico de todas as despesas do condomínio. Para isso, reúna todos os gastos ocorridos durante o último ano, separe-os em grupo, despesas fixas (agua, luz, gás, limpeza, seguro) e despesas variáveis (manutenções elétricas, hidráulicas, limpeza de caixa d’água e caixa de gordura, dedetização…dentre outras).

Com esses dados em mãos, verifique quanto o condomínio gastou e quanto o condomínio recebeu no período de 12 meses, e terá uma estimativa de despesas para o próximo período. Acrescente então a previsão de inflação para o período, bem como os índices de reajuste legal, especialmente para funcionários sindicalizados. É fundamental estimar os períodos de aumento de gastos, como aquisição de gás e pagamento de férias e 13o salário, consumo de água no verão. Por fim, estude se há despesas que podem ser cortadas, ou outras que não ocorreram e são necessárias, como pintura, reforma de telhados e reservatórios de água, cobertura de garagens, etc. Em condomínios maiores, veja se há possibilidade de geração de receitas através de serviços ou aluguéis de espaço físico ou publicitário. Por fim, acrescente o valor legal de fundo de reserva, previsto na convenção de condomínio. Assim, tornará possível analisar se para o próximo período o total a ser rateado entre os condôminos, com redução ou aumento da taxa condominial.

A falta de planejamento orçamentário coloca o condomínio em declínio, uma vez que o pagamento de despesas essenciais pode ficar comprometido, principalmente as manutenções rotineiras, úteis ou necessárias ao grupo de moradores e utilizadores das instalações.
As dívidas condominiais também exigem atenção e cuidado, devendo ser negociadas e pagas o quanto antes, evitando passivos jurídicos. O mesmo vale para a inadimplência, que deve ser tratada com prioridade uma vez que, na maioria das vezes, é a causa do desequilíbrio financeiro nos condomínios.

Planeje o pagamento das contas sempre para depois da data do recebimento das taxas condominiais, o mesmo deve ocorrer com a compra de materiais, evitando que o caixa do condomínio fique zerado.

Tão importante quanto manter o saldo do condomínio positivo é criar um fundo de reserva. Lembre-se que a taxa condominial se destina a custeio de despesas correntes, e o fundo para benfeitorias e melhorias, incluíndo reformas. Recomenda-se separar uma conta da outra e aplicar o valor destinado ao fundo em modalidades financeiras conservadoras.

Contrate uma empresa especializada em administração condominial que irá te auxiliar tanto na montagem do planejamento orçamentário quanto na resolução de todas as questões burocráticas, que não se limitam em pagar contas e receber taxas condominiais.

Conte com a Central de Condomínios!