O que devo perguntar sobre regras para animais, antes de me mudar para um condomínio?

O que devo perguntar sobre regras para animais, antes de me mudar para um condomínio?

14 fev

O que devo perguntar sobre regras para animais, antes de me mudar para um condomínio?

Animais de estimação são cada vez mais comuns nos lares brasileiros, e em número crescente. Estimativas do IBGE mostram que a taxa de crescimento desta população animal é de 5% ao ano, e apenas 1% para os humanos. Em 2013, o país possuía 52,2 milhões de cães e 22,1 milhões de gatos, em um universo de 132 milhões de animais de estimação. Pesquisa de empresa de locação de  imóveis verificou que 41% das pessoas que procuram um novo lugar para moradia consideram fundamental que o edifício permita animais.

Ainda assim, nem sempre a vida deles é fácil em condomínios. A falta de espaço, hábitos e comportamentos distintos entre animais e a convivência com seres humanos com estilos de vida diferentes, fazem com que a aceitação dos bichinhos em edifícios seja cercada de regras. E, para azar deles, somente humanos votam em assembleias. Daí, é importante observar algumas questões, antes de procurar um novo endereço:

FAÇA UM RECONHECIMENTO DA VIZINHANÇA

Faça algumas caminhadas pelas ruas no entorno, veja se há um bom número de animais circulando pela comunidade. Pesquise se há pet shops na proximidade, clínicas veterinárias e parques ou praças para um bom passeio. Tudo isso indica um comportamento bastante amigável para bichinhos de estimação.

TENTE CONHECER OS NOVOS VIZINHOS

Mesmo que a comunidade local seja favorável, você pode dar o azar de escolher um edifício com certa hostilidade a animais. E por mais que as leis protejam sua relação com os animais, há limites que podem ser definidos pelos moradores. Nestes casos, se o pensamento corrente é muito diferente da sua visão de relacionamento com animais, os desgastes de convivência surgirão com o tempo. Você precisa ponderar se vale a pena o desgaste.

CONVERSE COM FUNCIONÁRIOS E MORADORES

Conversar com funcionários e moradores é um passo eficiente para conhecer os hábitos e rotinas em relação aos animais, se há histórico de conflitos envolvendo bichos. Pergunte se há vários animais de estimação no edifício, se eles podem passear em áreas comuns.

SOLICITE UMA CÓPIA DO REGIMENTO INTERNO

O regimento define normas de convívio, e o que está ali é válido para todos, desde que não se contraponha a leis maiores. O documento frequentemente é omisso em vários aspectos sobre permissões a animais, mas se as proibições e restrições são determinadas com rigor, ligue o alerta: pode haver um histórico negativo por trás disso.

DEIXE SEU COMPANHEIRO “EM DIA”

Cuide adequada e regularmente da saúde do seu bichinho. Banhos, vacinas, tosas, tudo deve estar em dia. Não corra riscos de mudar para uma casa nova e seu animal estar com pulgas e vermes. Use sempre coleiras e focinheiras, quando for o caso.

AUMENTE OS MEIOS DE IDENTIFICAÇÃO DO SEU ANIMAL

Seu companheiro irá para uma nova e estranha comunidade, e pode ter comportamento diferente do habitual. Ao sair de casa, mantenha-o bem identificado, com coleira e identificação contendo o nome dele, e o telefone de contato. Esta atitude pode poupar grandes sofrimentos no caso de fuga ou perda.